Falando um pouco de M&A – As empresas familiares



Por Jiro Ogasawara

No mundo das fusões e aquisições (M&A), cada negócio tem suas particularidades, mas existe um grupo que merece uma atenção especial: As empresas familiares.

Cada empresa familiar tem uma história genuína com várias passagens, tanto corporativas como pessoais, que transportam uma carga emocional que deve ser relevada e tratada com bastante carinho e cuidado pelos assessores contratados.

É muito importante que os sócios compreendam de maneira clara todas as etapas envolvidas no processo até o fechamento e também algumas particularidades da dinâmica que pode vir a existir. Este entendimento claro no início dos trabalhos ajuda a minimizar as ansiedades, os medos e eventuais “achismos” de histórias ouvidas e/ou lidas pelos sócios que, em algumas vezes, os levam a acreditar em dinâmicas distorcidas. O desafio para os assessores é encontrar o ponto de equilíbrio entre o esclarecer e o não permitir que o entendimento sobre o processo seja de um “mundo de flores”.

Outro ponto a destacar sobre a etapa inicial é a existência ou não de um consenso entre os familiares que detêm participações no negócio a ser tratado. Este consenso é sobre a estratégia conjunta, seja se todos seguirão a mesma direção ou se uma parte pretende vender e a outra pretende permanecer no negócio – o importante é o consenso. Não havendo um consenso, os assessores deverão ser capazes de absorver, digerir e tratar as motivações de cada um dos sócios para que não haja riscos de contratempos durante a evolução de uma negociação por conta de um ou mais sócios mudar de ideia durante o percurso.

Em algumas vezes, a etapa de criação mútua de confiança entre os sócios e os assessores demanda um tempo maior que a média, mas o resultado é positivo na medida em que as análises feitas pelos assessores e apresentadas ao potencial comprador são mais fidedignas e minimizam os riscos de depreciação do valuation durante e após a etapa de diligência.

As etapas de diligência e negociação podem ser bastante desgastantes e os assessores necessitam de uma atenção especial em mediar e tranquilizar eventuais pontos de estresses entre os sócios ou entre os vendedores e compradores que podem distanciar em muito de uma negociação ganha-ganha.

Durante a formalização dos contratos e outros termos em que a participação dos assessores jurídicos é imprescindível e alta, os assessores estratégicos e financeiros precisam estar atentos se todos os detalhes acordados durante as negociações estão sendo contempladas, bem como as garantias e condições de saída futura.

Apesar das estratégias de negociação e as análises serem muito importantes, no mundo das fusões e aquisições de empresas familiares, existe uma componente de sensibilidade e atenção que pode refletir em resultados bastante desproporcionais, seja positiva ou negativamente.

Esta atenção que as empresas familiares requerem é muito bem compreendida e muito bem relevada pela AGR. Por isto, temos um prazer especial em trabalhar com empresas familiares.

Se você tiver alguma dúvida, mesmo que não desejem vender parte ou integralmente a sua empresa neste momento, fique super à vontade em vir tomar um café conosco. Basta ligar para um dos sócios da área de M&A da AGR (Jiro Ogasawara 11.98457.9708 ou Popy Tozzi 11.98494.5511). Nossos e-mails são jiro.ogasawara@agrconsultores.com.br e ana.tozzi@agrconsultores.com.br