Obrigatoriedade do Bloco K



Por Jessica Costa

Entre tantas dificuldades que as indústrias estão enfrentando, surge mais uma obrigatoriedade fiscal daquelas que vão mexer e muito com os processos das organizações.

O Bloco K se destina a prestar informações mensais da produção e respectivo consumo de insumos, bem como estoque escriturado, relativos aos estabelecimentos industriais ou a eles equiparados pela legislação federal e pelos atacadistas, podendo, a critério do Fisco, ser exigido de estabelecimentos, de contribuintes e de outros setores.

Embora seja uma entrega fiscal, ela envolve o tripé de processos (relacionados a produção e ao estoque), sistema e legislação, portanto as empresas precisam se preocupar em garantir que seus processos e sistemas estejam adequados a gerar as informações necessárias, mas que não impactem os processos já estabelecidos, de forma a não comprometer a operação já estabilizada.

Para implementar a entrega do Bloco K é necessário identificar os processos que interferem nestes requisitos e avaliar a aderência ao sistema utilizado, de forma a garantir que a operação esteja preparada para esta obrigatoriedade.

É importante sensibilizar que o Bloco K vai além de um entrega fiscal. Seus requisitos nascem nos processos de cadastros e industriais (produção própria e de terceiros) e se esses pilares não estiverem alinhados com as exigências, certamente a empresa terá muita dificuldade para cumprir esta obrigatoriedade.

Portanto, arregace as mangas e comece já a revisitar seus processos industriais e as origens de suas informações. Embora a obrigação comece a valer a partir 2017 (já foi postergado anteriormente), pode ser que você já esteja atrasado.